Painel do site

Blog

Nutrição e função imunologica em geral

As informações a seguir não se destinam a tratamento médico, mas sim uma revisão da ciência atual. Essas informações não são abrangentes e serão atualizadas à medida que novas informações surgirem na literatura. A adição de qualquer nutriente ou composto pode impactar a replicação viral ou a função celular humana de forma diferente durante a prevenção e ao longo da progressão da doença. Embora muitas substâncias possam apoiar o sistema imunológico e sejam úteis para prevenir ou melhorar infecções virais, os médicos devem compreender as necessidades exclusivas de seus pacientes e clientes para determinar se qualquer intervenção potencial é indicada e em que estágio na progressão de COVID-19 ela podem ser implementados conforme seu escopo de prática permitir. Além disso, é fundamental para os médicos que fazem recomendações compreender a fisiopatologia única deste coronavírus. As intervenções potenciais geralmente podem ser divididas em duas categorias: 1) intervenções que atuam no sistema imunológico humano ou nas células humanas e 2) intervenções que atuam no próprio vírus.

Sistema imunológico humano e sars covd2

Nossa resposta imune inata desempenha um papel importante no controle da replicação e infecção do coronavírus. O vírus entra nas células humanas através da proteína receptora ACE2 nas superfícies das células humanas. Esta enzima, encontrada em vários tecidos por todo o corpo, incluindo o revestimento da mucosa do trato respiratório superior, pulmão, trato digestivo, fígado, rim, cérebro e muito mais. ACE2 é dependente de sódio e potássio para regular a pressão arterial, no entanto, esse coronavírus inativa a enzima ACE2. Assim, estão sendo consideradas intervenções que podem inibir a capacidade do vírus de se replicar e bloquear sua ligação aos receptores de células humanas.

Em um estudo recente de 175 pacientes hospitalizados com COVID-19 na China, 93% dos pacientes graves e criticamente enfermos tiveram hipocalemia devido à perda de potássio na urina com degradação de ACE2. Durante a internação, os pacientes receberam uma dose de 3 gramas de potássio, o que pareceu ajudar a corrigir as deficiências da maioria dos pacientes, principalmente no início da recuperação. Os médicos que tratam desses pacientes sugeriram que a excreção de potássio na urina pode ser utilizada como um biomarcador de sinalização de recuperação.  

O potássio provavelmente não é uma estratégia preventiva, mas o potássio pode desempenhar um papel no tratamento de casos moderados a graves de COVID-19. Aqueles com sintomas respiratórios leves não devem necessariamente receber potássio adicional, pois ele pode interagir com certos medicamentos e condições de saúde. 

ALVOS INFLAMATÓRIOS:


• Citocinas inflamatórias – As citocinas têm sido implicadas na progressão de várias infecções virais. COVID-19 está associado a aumentos na interleucina (IL) -2, IL-7, fator estimulador de colônia de granulócitos, proteína 10 induzível por interferon-γ, proteína quimioatraente de monócitos 1, proteína 1-α inflamatória de macrófagos e fator de necrose tumoral-α (TNF-α). Estes podem ser considerados alvos terapêuticos para COVID-19 para combater as respostas inflamatórias hiperativas e tempestades de citocinas. ( Fonte )

INIBIDORES DE CITOCINAS QUE PODEM SER POTENCIALMENTE FAVORÁVEIS À RESILIÊNCIA IMUNOLÓGICA:


• Curcumina – mostrado para suprimir a liberação de citocinas em tempestades de citocinas durante o surto de Ebola ( fonte )


• Bergamota – Possíveis propriedades antiinflamatórias mediadas por IL-8 para reduzir a inflamação pulmonar ( fonte , fonte )


• Flavonóides como resveratrol e luteolina – geralmente podem reduzir a expressão e a secreção de citocinas ( fonte , fonte )
Veja o documento completo
https://theana.org/COVID-19

https://theana.org/COVID-19